<object style="height: 390px; width: 640px"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/7wZgGT6mPac?version=3"><param name="allowFullScreen" value="true"><param name="allowScriptAccess" value="always"><embed src="http://www.youtube.com/v/7wZgGT6mP

<object style="height: 390px; width: 640px"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/7wZgGT6mPac?version=3"><param name="allowFullScreen" value="true"><param name="allowScriptAccess" value="always"><embed src="http://www.youtube.com/v/7wZgGT6mP

 

 

Tal como existe o “bom” e o “mau” colesterol, o orgulho também pode ser bom ou mau… no caso do colesterol, o primeiro é benéfico, mas o segundo pode matar. O mesmo acontece com o orgulho, pois um pouco de brio em si mesmo é positivo, já a arrogância pode tornar uma existência árida
 
O Orgulho
Para muitos, o orgulho é um fator determinante na caminhada para o sucesso, no âmbito familiar e profissional. Em certa medida, o orgulho é a confirmação e afirmação natural dos nossos sentimentos, conquistas e alegrias, ou seja, um sentimento positivo e bom, para consigo e com o próximo.
O “Bom Orgulho”: Dignidade ou brio
Algumas pessoas consideram que o orgulho para com os próprios feitos é um acto de justiça para consigo mesmo. Ele deve existir, como forma de elogiar a si próprio, dando forças para evoluir e conseguir uma progressão individual, rumo a um projecto de vida mais amplo e melhor. Isso aplica-se tanto a si próprio quanto ao próximo, embora, socialmente, uma pessoa que tenha orgulho pelos outros seja geralmente vista no sentido da realização, sendo associada a uma atitude altruísta, enquanto o orgulho por si mesmo costuma ser associado ao sentimento de capacidade e egoísmo.
O “Mau Orgulho”: Soberba ou arrogância
Para Deus, o “mau orgulho” ou a soberba é um dos piores pecados, manifestados precocemente por Lúcifer, o anjo caído que quis ser igual a Deus (Isaías 14.1-14). Este é um exemplo claro de como o orgulho em excesso se pode transformar em vaidade, ostentação, soberba, sendo visto apenas como uma emoção negativa: a Arrogância.
Outras pessoas classificam o orgulho como exagerado quando se torna um tipo de satisfação incondicional ou quando os próprios valores são sobrestimados, acreditando serem melhores ou mais importantes do que os outros. O orgulho sufoca, destrói e, eventualmente, mata, pois dele nascem outros males como a inveja, as discussões, as divisões e a mágoa. Sentimentos que começam por contaminar o espírito e que, gradualmente, alastram para a alma e o corpo, muitas vezes manifestando-se em doenças físicas, como o cancro.
Como detectar o orgulho como pecado? Preste atenção:
- Quando não aceitamos a exortação do pastor, líder ou até mesmo dos companheiros de ministério;

- Quando achamos que estamos sempre certos;

- Quando não damos nenhuma importância ao que dizem as outras pessoas;
- Quando achamos que somos melhores do que alguém;

- Quando achamos que somos dignos de receber alguma glória e louvor;

- Quando achamos que a obra que executámos está a ter sucesso pela nossa capacidade;

- Quando achamos que a nossa forma de proceder é a mais correcta perante Deus;

- Quando humilhamos, subestimamos ou não valorizamos o nosso próximo;
Observe: Quando fazemos tudo isto, estamos a ser orgulhosos! E o único antídoto para o orgulho é cultivar a humildade de espírito, “porque deles é o reino dos céus”, como Cristo disse. “A soberba do homem o abaterá; mas o humilde de espírito obterá honra.” (Pv 29.23)